Notícias corporativas

Programa de educação executiva baseado em neurociência cognitiva tem impacto em lideranças

São Paulo 4/10/2019 – Quando conhecemos a nós mesmos, nossas ações se tornam mais arrojadas e conscientes. Assim, passamos a impactar pessoas, organizações e sociedades.

Ao entenderem sobre os processos subjacentes da cognição executiva e vieses implícitos (espontâneos), líderes e RHs passam a incentivar hábitos orientados a objetivos e metas. Também economizam energia mental, promovem criatividade, mudança e engajamento. Assim, geram as bases fundamentais para posturas protagonistas nas equipes e carreiras, além de uma cultura de inovação nas suas organizações.

Nesta semana, Keitiline Viacava, Ph.D. anunciou as últimas edições do workshop Essentials em cognição executiva e vieses do ano, que ela dirige à frente do Decision Making Lab, ou DM.Lab. O programa tem origem em práticas de laboratório em neurociência cognitiva e projetos validados pela Society for Neuroscience (SfN) nos Estados Unidos e Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento (IBNeC) no Brasil. Também tem inspiração no caderno especial da revista On The Horizon, publicado pela editora britânica Emerald, em 2010, onde em artigo de sua autoria ela apoiou as primeiras discussões a favor da inclusão de conhecimentos sobre o cérebro humano como parte integrante da aprendizagem de executivos.

Cada vez mais, líderes e RHs executivos reconhecem que precisam saber mais sobre cognição e vieses para criar condições protagonistas e diversas para si e para os outros, mas o problema é que a maioria não sabe como aprender ou transformar esse conhecimento em resultados na prática. Isso ocorre porque a dimensão implícita (espontânea) da nossa mente e comportamento é automática, sensível ao ambiente, guiada pelo hábito e pouco acessível à consciência. Conhecer sobre ela exige aprendizagem ativa, tecnologias cognitivas digitais e feedback qualificado.

Esse é um excelente momento para se avançar nessa abordagem, visto que falar sobre neurociência já não é mais novidade nas empresas. “[…] O cérebro está envolvido na tomada de decisão e avaliação das incertezas e ambiguidades dos negócios porque centraliza o processamento da informação na mente dos líderes, função fundamental, mas não única para o aumento da performance nas escolhas”, diz a Dra. Viacava. Ela acrescenta que há um espaço de inovação nas práticas de desenvolvimento que reside na combinação especializada entre conteúdo, processo e analytics.

A professora destaca que há muito o que progredir na conversão e transferência da neurociência cognitiva digital como metodologia de apoio ao desenvolvimento de pessoas e organizações. Basta ver o que se aprende a cada dia sobre o potencial de treinamentos com realidade virtual, por exemplo. Tendo o DM.Lab como suporte para aplicar jogos cognitivos computadorizados baseados em medidas biofísicas, como tempo de reação, somente ela e sua equipe impactaram mais de 2,5 mil líderes nos últimos três anos. As experiências de aprendizagem incluíram a captura de estilos implícitos da tomada de decisão frente aos riscos com excelente resolução temporal e permitiram a análise estatística dos dados, auxiliando no autoconhecimento de líderes em nível micro (individual) e o diagnóstico da diversidade cognitiva em âmbito macro organizacional.

As ações dirigidas pela Dra. Viacava incluem cursos de MBA, educação executiva e workshops, mas segundo ela a experiência verdadeira acontece in-company, entre grupos pequenos de lideranças seniores, num ambiente de confiança, intensivo em conhecimento e experiência do negócio. “[…] Tudo é feito centrado nos participantes, com base em evidências e guiado por dados que são analisados com apoio do Power BI, seguindo cuidados éticos de confidencialidade e sigilo” complementa ela. Recentemente, macro insights do estilo decisório de líderes e seu impacto para inovação puderam ser vistos durante sua palestra na inauguração do Chapter Guarulhos da Singulariy University. Os resultados sugerem que quando os líderes percebem a si mesmos, suas equipes e seus pares, eles tomam mais riscos, reduzem a reatividade ao novo, ajustam seus ritmos de decisão e ponderam melhor as novas informações. Assim, criam as bases necessárias para inspirar o protagonismo e alavancar a cultura de inovação.

As turmas abertas do DM.Lab Essentials acontecerão nos dias 17 de outubro e 06 de novembro, das 9h às 17h30min, no Spaces Vila Olímpia em São Paulo e Instituto Ling em Porto Alegre, respectivamente. Após essas datas a agenda ficará restrita às ações in-company, retomando a programação aberta no próximo ano.

Keitiline Viacava, Ph.D. é fundadora e diretora do Decision Making Lab (DM.Lab), uma empresa de educação executiva e pesquisa cognitiva aplicada. É doutora em Psicologia pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e pós-doutora em Neurociência Cognitiva pelo Dep. de Neurologia da Georgetown University, Washington, DC. Também é revisora da Managerial and Organizational Cognition (MOC Division) na Academy of Management (AoM), organização em que atuou como embaixadora em 2018, além de membro atuante da Society for Neuroscience (SfN), ambas nos Estados Unidos. LinkedIn Profile.

Website: http://essentials.engaged.com.br

Mais posts