5-elementos-mais-importantes-seo
Técnicas de SEO

Os 5 elementos mais importantes do texto para SEO

Para a maioria das empresas, o conteúdo escrito não é o maior gerador de conexão emocional entre marca e público — atributo mais forte em formatos de mídia audiovisual, como vídeos e lives. No entanto, o texto ainda tem papel fundamental no conteúdo criado por empresas por ser o grande gerador de ranqueamento no Google. E isso se conquista utilizando técnicas de SEO.

Segundo o site americano Mondovo, do início da operação do Google, em 1998, até hoje, o ranqueamento do conteúdo era basicamente feito com base em palavras-chave. “Isso mudou drasticamente. Hoje, é preciso redigir conteúdo de qualidade para garantir que seja ranqueado nos motores de busca”, adverte o site.

Neste post, reunimos cinco orientações de grande relevância em relação a SEO para quem produz conteúdo.

#1 Resolva um problema

Quem faz uma busca no Google procura a resposta para uma pergunta. Ganha destaque nos resultados orgânicos quem consegue fornecer essas respostas.

Marcus Sheridan, autor do livro “They Ask You Answer”, explica a lógica por trás dos algoritmos de uma maneira bem simples:

“Todos nós somos professores em alguns poucos assuntos e alunos em todos os demais. O Google faz a conexão entre professores e alunos.”

A partir de 2015, o Google passou a usar machine-learning — uma das abordagens de inteligência artificial — para garantir mais versatilidade a seus algoritmos. Lançando um olhar eletrônico cada vez mais humanizado sobre os textos, o Google premia quem tem a intenção de explicar algo com propriedade, buscando ajudar o leitor, do que simplesmente posicionando palavras-chave com astúcia.

O Mondovo reforça esta recomendação:

“Escreva para seres humanos, e não para motores de busca. Muitos redatores cometem o grave erro de otimizar textos para SEO focando em palavras-chave sugeridas por ferramentas. De certa forma, eles escrevem para robôs. O certo é escrever para humanos em vez de escrever para algoritmos.”

#2 Sustente o que você afirma

Para terem profundidade e credibilidade, as afirmações de um texto precisam ter sustentação. Entenda por “sustentação” evidências de que aquilo que se afirma é confiável. Nesse sentido, criar links para outros sites indica para o leitor — e, por consequência, para o Google — que o seu texto se baseia em fontes externas.

Incluir links para outras páginas de seu site também ajuda, pois permite ao leitor se aprofundar mais num tema já abordado por você anteriormente. Mas links externos fortalecem a credibilidade, especialmente se apontarem para outras páginas que tratam do mesmo tema que o seu — sim, o Google tem capacidade de analisar isso também.

O site Web Behavior recomenda “posicionar os links naturalmente dentro do texto, usando palavras-chave ou sinônimos como os textos linkados”.

#3 Planeje as palavras-chave

Embora nos dois tópicos anteriores seja enfatizada a atenção do Google cada vez mais voltada à semântica, o fato é que palavras-chave ainda importam. Não são mais a grande referência do Google, é verdade, mas ainda têm valor para efeito de SEO.

O site MOZ, altamente especializado em SEO, contribui com a seguinte sugestão:

“Escreva primeiro o texto e, então, adicione as palavras-chave cruciais. Insira também os termos relacionados ao tópico central. E certifique-se de que as frases e conceitos mais importantes fazem parte do seu texto.

Segundo outra referência internacional em SEO, o Search Engine Journal, o ideal é que cada página trabalhe com uma ou duas palavras-chave, no máximo, para que o texto não perca a originalidade.

Lembre que a combinação perfeita entre os termos buscados e o texto redigido ainda tem algum peso no ranqueamento da página. Em outras palavras, se uma pessoa buscar por “o que é a lua azul?”, o texto que trouxer estas mesmas palavras, nesta mesma ordem, tende a ter uma pequena vantagem em relação a outros que abordam o mesmo assunto.

#4 Dê atenção às áreas nobres

Um post tem “áreas nobres”, que são as regiões que tendem a ter mais visibilidade numa página convencional de conteúdo. Por ordem de importância, as áreas nobres são:

Título (h1) e intertítulo (h2)

O título da página ainda é a área mais importante de um post. Habitualmente, a palavra-chave — ou, pelo menos, a ideia central — aparece nele. Tem sido assim desde a era off-line, com os veículos impressos. Não é, portanto, uma imposição do Google. Pelo contrário: novamente, seus algoritmos observam e tentam acompanhar o comportamento humano.

O mesmo vale para os intertítulos (ou subtítulos), que ajudam o leitor porque tornam o texto mais organizado e de fácil compreensão.

Títulos e intertítulos são frequentemente chamados de “h1” e “h2” porque é assim que são nomeados na linguagem HTML.

URL e title tag

Dois elementos devem ser tecnicamente configurados para repetir o título (h1) porque o Google os leva em consideração para efeito de ranqueamento. Essa é uma das razões pelas quais o título deve se manter restrito a uma sentença.

O primeiro é o title tag, aquele título que aparece na aba do topo do navegador. No exemplo abaixo, extraído da revista Exame, é possível observar que o title tag combina com o título da matéria.

Exame com Title Tag otimizado para SEO

O segundo elemento é a URL, aquele endereço que começa com “http”. Ela precisa ser sempre uma URL amigável, que é o endereço que não traz apenas um código numérico relacionado à página. Em vez disso, ela repete o título — eliminando espaços e caracteres especiais, é claro.

No mesmo exemplo da Exame, é possível identificar a URL amigável. Basta comparar o título da imagem acima ao endereço em que está localizada a reportagem: “https://exame.abril.com.br/carreira/esta-e-a-habilidade-que-torna-um-profissional-memoravel/

Repetir o título nesses dois elementos é uma maneira inteligente e fácil de automatizar um processo. Afinal, uma vez que o título contenha as palavras-chave, o title tag e a URL amigável automaticamente as conterão também.

Atributo ALT da imagem

Imagens também afetam SEO, conforme mostramos neste post. Nele, explicamos a importância de a imagem conter o atributo ALT e, opcionalmente, a legenda.

Negrito e bullets

Embora negrito e tópicos organizados em listas de tópicos ou números não pesem demasiadamente em SEO, organizar o texto usando esses recursos ajuda o leitor a compreender o conteúdo de forma mais organizada. Justamente por isso, o Google atribui um certo peso a esses elementos, explica o Search Engine Journal. Menor do que os outros itens listados neste texto, sim, mas com algum efeito.

#5 Meta descrição não pesa, mas use

A meta description (ou meta descrição, em português) é aquele pequeno texto de apoio que aparece logo abaixo do título numa SERP, nome dado às páginas que exibem os resultados de busca de mecanismos como o Google.

Exemplo de meta description em SEO

Desde 2009, o Google garante que essa descrição não tem a menor interferência no ranqueamento das páginas. Embora os critérios de ranqueamento não sejam abertos, não há motivos para se duvidar da declaração do Google.

O fato é que o uso inteligente da meta description ajuda a induzir o leitor que encontra sua página numa busca a clicar em seu site. Por isso, esse elemento do texto deve ser usado como um recurso para satisfazer ao leitor humano, e não necessariamente como um elemento de SEO.

Takeaway

Escreva pensando no ser humano, e não nos algoritmos, mas não deixe de dar importância a elementos antes supervalorizados, como palavras-chave, áreas nobres do texto e meta descrição. Afinal, eles ainda pesam para efeito de SEO.

Fontes consultadas

 

Aula Online

O mesmo conteúdo desse post está disponível em formato de vídeo:

Mais posts