1

Após abordarmos diversos aspectos dos conteúdos jornalísticos, chegou o momento de dizer o que não funciona como material para grandes portais noticiosos

Passamos o mês de março a tratar da notícia e seus mais variados aspectos. Isso porque além de ser uma ferramenta essencial para o trabalho jornalístico, ela também é o principal canal de informação sobre o que acontece na sociedade cotidianamente. No DINO, os conteúdos noticiosos produzidos pelos clientes são justamente os “alimentos” para a rede de portais parceiros. Inclusive, alimentos cheios de informações relevantes. Contudo, há sempre aquele momento em que surge uma dúvida clássica no meio da Comunicação: o que não é notícia?

Bem, a priori essa questão pode parecer complexa demais para ser respondida, afinal, confunde-se muito o fato de que tudo pode ser noticiado, mas nem tudo é notícia. Ou seja, muitas vezes – por razões até subjetivas – define-se como relevante algo que, no fundo, não atinge o interesse do público em geral. Então, o que poderia ser tratado como conteúdo específico e direcionado para um determinado setor torna-se uma tentativa de levar à grande audiência algo que não necessariamente irá agregar informações relevantes num âmbito mais amplo. Vejamos alguns exemplos do que não é notícia:

1. Texto opinativo/Artigo

Por mais que o fato abordado seja noticioso, a opinião que se emite sobre ele – e que se materializa no texto – não é. Isso porque a principal função da notícia é informar, o mais imparcialmente possível, o leitor para que este seja capaz de formar a própria opinião a respeito do que está sendo apresentado. Depoimentos, citações e outros recursos que expressem algum tipo de juízo de valor podem ser reproduzidos, entre aspas, ao longo do texto como fonte.

2. Informações institucionais

Comunicação interna é um elemento fundamental para muitas empresas de médio e grande porte. Isso porque é preciso informar colaboradores, diretores, parceiros e grupos mais fechados sobre o que há de novo no ambiente de trabalho – além de dados, resultados, ações etc.. Entretanto, não são todas as informações internas que possuem valor de notícia. Isso porque são, em muitos casos, diretamente ligadas a áreas específicas que não dialogam com o grande público. Por exemplo: mudanças de cargo, premiações para colaboradores, inauguração de novas áreas, parcerias que foram fechadas com outras empresas (a menos que se trate de uma fusão/aquisição com altíssimo valor e impacto no mercado como um todo), atualizações de produtos. De fato, ainda há uma linha tênue para definir o que pode ou não ser notícia a respeito de uma empresa. Para isso é preciso refletir junto a profissionais de comunicação capacitados para analisar o quão noticioso um fato pode ser. E com qual público irá dialogar.

3. Conteúdo comercial

Ofertar um produto, informar a respeito de uma promoção, destacar as características de um serviço ou descrever as funcionalidades de uma ferramenta são informações com foco nas vendas. Por outro lado, usar estas mesmas informações dentro de um contexto noticioso pode, sim, tornar-se matéria jornalística. Há uma diferença gigante entre produzir um texto cuja mensagem principal seja “compre nosso produto, pois ele possui x qualidades” e redigir uma notícia sobre “a alta nos preços de produtos em supermercados devido à crise econômica”, apresentar dados de pesquisa e, entre eles, citar um aplicativo que reúna as principais ofertas da região. Marketing de Conteúdo, eis a chave.

4. Release

Releases são comunicados à imprensa que têm por objetivo se tornar notícia. Sua estrutura textual deve destacar qualidades e feitos do assessorado assim como demonstrar sua relevância perante um determinado nicho de mercado ou grupo. Com isso, sugere-se com o material o uso das informações para a elaboração de uma notícia – que ficará a cabo do jornalista para o qual o release foi enviado. Com isso, há muita confusão quando se trata de release e notícia, mas é importante lembrar que: a notícia pode nascer de um release, mas não o contrário. Release é a oferta de pauta. Notícia é a pauta desenvolvida já para publicação. Release é, como dito anteriormente, um comunicado à imprensa. Notícia é um comunicado à sociedade como um todo.

Basicamente, estes são os quatro “pilares” do que não seria notícia. Obviamente que questões técnicas como tipo e estrutura do texto também podem descaracterizar um conteúdo que buscou ser notícia. O ponto é: toda notícia precisa ser relevante para o público no geral. Ou pelo menos despertar o interesse de quem não é de uma determinada área, mas pode se interessar em conhecê-la.

Há um artigo muito bom escrito pela CEO da Aceká Marketing Digital, Gláucia Civa Kirch, que também aborda o que não é notícia e apresenta algumas características bem básicas – e importantes. Para conferir, basta clicar aqui.

Ainda há dúvidas sobre o que se espera de notícia a respeito do seu conteúdo? Temos um ebook gratuito que vai te ajudar. Basta fazer o download gratuitamente clicando aqui.

Recomendadas


Top