Canais de Distribuição

Como promover conteúdo no YouTube

Existem formas gratuitas e pagas de se promover um vídeo no YouTube. O ideal é usar ambas para acelerar o crescimento do canal e a audiência dos vídeos.

Os meios gratuitos de promoção geram resultados no longo prazo, com menor controle sobre o ritmo do crescimento. Os meios pagos são o inverso: geram resultados de curto prazo e com maior controle da velocidade, que é ditada pelo volume de dinheiro investido.

Essas duas formas podem perfeitamente coexistir num canal. Tanto que a YouTube Academy — onde o YouTube ensina usuários a usar seus recursos — tem uma série educativa que ensina a promover vídeos com recursos gratuitos e pagos. Vejamos, então, essas duas opções.

Opção #1: promoção paga

Existem diversos tutoriais ensinando a usar os recursos pagos do YouTube com eficiência — como o passo a passo criado pelo próprio YouTube. No entanto, um dos guias mais didáticos é de autoria do site americano Social Media Examiner, que usamos como base neste post.

Antes de tudo, acesse o AdWords — ou crie uma conta nele — e clique no ícone de ferramenta no canto direito superior. Ali, clique em “Contas vinculadas”.

Basta, então, clicar na opção do YouTube para conectá-lo ao seu AdWords.

A configuração é simples e quase automática, especialmente se você estiver logado na conta de Gmail que usa para administrar o YouTube.

Uma vez feita a configuração da conta do YouTube no AdWords, basta clicar em “Campanha” no menu esquerdo e, em seguida, no botão com o sinal de mais (+) e em “Nova campanha”.

Na tela seguinte, você define o público que deseja alcançar, o vídeo escolhido para promoção e, principalmente, o orçamento.

Assim como acontece em outras plataformas de anúncio, o YouTube oferece a possibilidade de dar um lance para a visualização. O indicador de desempenho usado para essa finalidade é o CPV (custo por view). O melhor caminho é você definir um lance máximo de CPV. Por exemplo, R$ 0,20. Isso impedirá que o gasto cresça de forma descontrolada.

Você, então, escolhe o local de exibição, podendo ser em formato de vídeo — exibido antes ou durante o vídeo em reprodução — ou de anúncio, que aparece no canto direito superior, como indica a imagem abaixo.

Após criar o anúncio, espere alguns dias para aferir o resultado da campanha. Para isso, observe quatro indicadores importantes:

  • Total de visualizações do vídeo.
  • Percentual de visualizações até 75% — ou seja, quantos usuários assistiram a pelo menos ¾ do vídeo.
  • Tempo total de exibição do vídeo para os usuários.
  • Engajamento, medido pela quantidade de curtidas e de comentários.

Opção #2: promoção gratuita

Tanto faz se você, como gestor, investe dinheiro na promoção de vídeos ou não. As opções orgânicas continuam sendo uma saída necessária para todas as empresas que usam o YouTube entre seus canais.

Os vídeos podem atrair audiência de buscas orgânicas do Google — pelo uso das técnicas clássicas de SEO — e do próprio YouTube. As recomendações a seguir ajudam a potencializar a audiência dos materiais publicados nessa plataforma.

Título do vídeo

As buscas orgânicas se baseiam em texto. Por isso, é importante dar especial atenção ao título do vídeo. Afinal, o mecanismo do YouTube obedece a premissas muito parecidas às do seu proprietário, o Google.

Veja a comparação a seguir. Nesta primeira busca, feita no YouTube, o recurso de autocompletar trouxe a frase “como ranquear vídeo no youtube”.

O recurso de autocompletar se comportou exatamente da mesma forma quando a busca foi feita no Google.

Segundo o site Shout Me Loud, os títulos “são um fator determinante para que os vídeos sejam amplamente vistos e compartilhados em vez de conquistar um pequeno número de visualizações”.

Hootsuite recomenda pesquisar palavras-chave em ferramentas do próprio Google AdWords e incluí-las no título. É preciso, ainda, mantê-lo simples e objetivo, com até 66 caracteres, limite visível nos títulos do YouTube.

Mais importante do que o tamanho é o conteúdo. Dê um motivo ao usuário para querer assistir ao vídeo, antecipando o que de melhor o conteúdo oferece. Por exemplo, em junho de 2018, o canal Você Sabia?, que aborda curiosidades, publicou o vídeo abaixo com o título “NUNCA LIGUE PARA ESSE NÚMERO !!”.

<iframe width=”560″ height=”315″ src=”https://www.youtube.com/embed/Q23pycXHgZA” frameborder=”0″ allow=”autoplay; encrypted-media” allowfullscreen></iframe>

Em apenas 24 horas, o vídeo alcançou 1,4 milhão de visualizações e ocupou o primeiro lugar no ranking dos mais vistos no Brasil no dia de sua publicação.

O título é o elemento de texto mais importante, mas a descrição e as tags também merecem atenção porque, embora com menor impacto, também ajudam no ranqueamento.

Thumbnail

Sempre que alguém assiste a um vídeo no YouTube, conteúdos similares aparecem na coluna lateral. No exemplo abaixo, o vídeo sendo reproduzido explica como comprar bitcoins. Perceba que todos os vídeos da coluna da direita trazem temas similares.

Ao figurar nessa coluna lateral, o seu vídeo precisará capturar o interesse de quem assiste. É por isso que thumbnails são importantes.

A imagem que você pretende subir como thumbnail do vídeo precisa ter as seguintes especificações técnicas:

  • Resolução de 1280 x 720 pixels;
  • Formato PNG, JPG, GIF ou BMP;
  • Tamanho inferior a 2 MB;
  • Idealmente, a proporção de 16:9.

Segundo o Hootsuite, as imagens com maior potencial para capturar a atenção do usuário são as que contêm um desses componentes:

  • Rosto de pessoas;
  • Texto sobre a imagem;
  • Background colorido;
  • Logotipo pequeno ou em marca d’água no canto da imagem.

Tubular Insights, em um extenso tutorial sobre thumbnails, mostra alguns bons exemplos.

Integração de canais

Título e thumbnail bem elaborados fortalecem a visibilidade do vídeo dentro do YouTube. No entanto, há outras formas gratuitas de promoção de um vídeo por outros canais.

A forma mais usual e simples de se espalhar um vídeo é por meio do compartilhamento da URL do YouTube em posts em redes sociais, como Facebook, Twitter, Google Plus e LinkedIn. No Instagram e no Pinterest, não é possível publicá-las em posts, mas sim nos perfil de usuário.

Algumas plataformas são mais amigáveis ao YouTube, outras menos, por uma razão comercial: todos os players estão disputando as mesmas verbas de marketing digital das empresas.

No entanto, há um lugar em que as regras vigentes são estabelecidas por você. É o seu site. Incorporar um vídeo num blog post seu é uma tarefa das mais simples. Basta copiar e colar o código fornecido pelo próprio YouTube. Isso torna o vídeo visível para visitantes do blog, ideia enfaticamente defendida por artigos em veículos de peso, como a americana Entrepreneur. 

“O blog da sua empresa é o lugar perfeito para promover o seu vídeo para o seu público.”

Mantenha sempre o vídeo com permissão para ser incorporado — “embedado”, como se diz no jargão de TI e de marketing digital. Isso facilita a vida de quem quiser colocar seu vídeo dentro de uma página.

Outra forma de manter seu público atual informado de novas atualizações no YouTube é enviando um e-mail para a sua base. Novamente a Entrepreneur recomenda:

“Sempre que um vídeo for publicado no YouTube, envie uma mensagem contendo o link para a sua lista de emails. Se você costuma enviar uma newsletter periodicamente, inclua o vídeo na lista de conteúdos.”

Takeaways

Existem formas pagas e gratuitas de promoção de vídeos. As pagas são de fácil configuração via Google AdWords. As gratuitas consistem em aumentar a visibilidade tanto para o público no YouTube quanto fora dele.

Usar recursos pagos não elimina a importância de buscar também resultados orgânicos — e o inverso é verdadeiro.

Mais posts